Pages

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

for you and everything you make me feel...

O que você quer eu quero mais...
O que você diz não me distrai...
Mas pode acreditar em mim, tudo fica bem mais fácil assim...
So easy, so easy...

Eu estava encostada na mureta da escola, brincava com os fios soltos de meu shorts jeans. Estava matando a última aula, Química. Não estava com saco para ouvir a professora falando de algo que faltava em minha vida, Química. Olhei para o lado direito do pátio, a quadra poliesportiva, mas precisamente a arquibancada do seu lado oposto. Suspirei. Alí estava ele, cabelos cacheados na altura dos ombros, caindo pelos olhos, bermuda larga jeans e uma camiseta comum preta, um adidas branco no pé e um sorriso debochado na cara. Fiquei olhando-o por algum tempo sem me mexer, se tinha algo que eu gostava era de observá-lo assim, de longe. Claro que eu gostava quando estávamos juntos. Eu me divertia com ele. Ria e brincava e quando nos beijávamos... Ah, quando nos beijávamos... Mas ainda assim, nem tudo eram mil maravilhas, algo o prendia, algo o mantia longe de mim, longe dos meus braços e longe da felicidade. Ele se defendia, mas nada do que ele dizia me fazia acreditar, nada era motivo para manter uma barreira. Se ele se soltasse, acreditasse em mim quando eu dizia o quanto o amava e o faria feliz... Seria tão mais fácil, tão simples....

Sei que é dificil arriscar...
Amanhã quem sabe o que será...
Mas pode acreditar em mim, porque você tem tanto medo assim?
So easy, so easy...


Me lembro de quando estávamos sentados em uma das mesinhas do pátio, ele me olhava com os pequenos olhos semi-fechados. Não dizíamos uma palavra sequer. Eu sorria e ele esboçava um pequeno risco pra cima com os lábios, eu me fazia acreditar que aquilo era um sorriso também. Eu tentava quebrar aquela barreira e me aproximar, mas eu não sabia o que fazer. Eu não sabia como agir. Deitei em seu colo e fechei os olhos com o carinho que sua mão fazia em meu cabelo. O perfume que vinha dele me embriagava e agora eu sorria abertamente, eu estava em um daqueles momentos em que eu era feliz, feliz por tê-lo alí. Mas logo isso mudaria, e o medo, ou seja lá o que ele sentia, o afastaria e o fecharia naquela barreira de frieza que ele sempre carregava. Eu queria entender, queria que ele se abrisse, queria que ele dissesse o porque daquele comportamento. Porque tanto medo? Porque tanta insegurança?

Me dá a mão, não há razão de se esconder nesse lugar.
Delicadamente te levar...
Muito além daqui desse lugar...
Resistir é natural, mas tudo se resolve no final...
So easy, so easy...


Eu precisava tomar uma atitude. Eu não queria viver aquilo para sempre, mas também não queria perde-lo. Eu precisava mostrar como eu podia fazê-lo feliz. Eu precisava mostrar que eu viveria apenas por ele, só por ele, se ele me pedisse. Eu viveria para fazê-lo a pessoa mais feliz do mundo. Abriria mão de orgulhos e convicções para tornar seus sonhos reais, abria mão de passado, presente e futuro, para viver o dele. Eu queria mostrar que estando comigo, nada o faltaria, NADA. Eu cuidaria dele, eu mimaria ele, eu amaria ele. Me levantei daquela mureta e segui em direção a quadra. Parei em um canto e o olhei esperando que ele me percebesse ali perto. Assim que seus olhos me encontraram sorri e acenei, ele fez o mesmo. Chamei-o com o dedo e esperei que ele viesse até mim, o abracei e tentei não perder a força nas pernas ao sentir seu corpo contra o meu. Sem dizer nada, peguei sua mão e o levei para um lugar mais reservado da escola. Paramos encostados em uma das árvores do pátio e nos olhamos. Eu tentava mostrar tudo o que escondia apenas com o olhar, não queria dizer nada, não queria estragar o momento. Apenas nos olhávamos, abraçados. Deitei minha cabeça em seu peito e me deixei entregue a suas carícias e colo. Senti seus lábios contra meus cabelos e sorri, levantei um pouco a cabeça e nossos olhos se encontraram mais uma vez. Fui vencendo a distância entre nossos lábios e ele nos grudou em um beijo quente e macio. Era leve, sereno, sem pressa. Eu passava pra ele naquele momento tudo o que eu queria que ele sentisse. Ele me segurava pela cintura e eu o abraçava pela nuca, acariciando levemente seus cabelos. Minha vida podia parar ali, naquele momento. Eu não sabia como seria depois do beijo, mas no momento, eu estava com ele. E era isso, no fim das contas, que me importava.


just look into my eyes, 'cuz the heart never lies...