Pages

terça-feira, 6 de abril de 2010

Palavras SÓ atrapalham



Todos cochichavam, empurrando a pequena morena que insistia em se manter estática no meio da roda de amigas. O único movimento que se limitava a fazer era negar com a cabeça enquanto suas amigas a incentivavam com frases monossilábicas como “Vai!” ou algo mais animador como “Larga a mão de ser troxa!”
- Não vou! – Julie disse, num sussurro irritado e nervoso, mas suas pernas começaram a se mover sozinhas depois que uma de suas amigas a empurrou. Ela olhou pra trás para xingar quando algo sólido veio ao seu encontro, chamando sua atenção. Era ele. Perfeito, tinha esbarrado nele. Justo nele.
- Oliver! Oi, desculpa, eu... – Ela começou a falar, nervosa.
- Oi, Julie – O menino disse, sorrindo.
- Não era a intenção, eu... Quer dizer, era a intenção sim mas... Não esbarrar em você, claro que não era essa a intenção né... A intenção era falar com você e... – Começou a falar, toda confusa – Respira, Julie – Falou para si mesma, tomando ar.
- Julie, você ta bem? Parece meio tensa... – Oliver disse, pondo a mão no ombro da menina que tremia inteira.
- Tensa, palavra perfeita. To bem, to bem... Eu pareço nervosa? Porque eu não to sabe... Eu só to falando muito e rápido porque é meu jeito de falar, nada diferente, tudo normal... Porque? Eu não pareço normal? – Falou de uma vez só, deixando Oliver confuso e com vontade de rir. Ambos olharam para trás, onde as meninas cochichavam olhando os dois.
- Tem algo que você quer dizer? Ou ta sendo obrigada a dizer? – Oliver perguntou, voltando sua atenção para Julie.
- Exatamente! Tem algo que eu queria dizer. Na verdade, eu não queria dizer, acho que as pessoas se atrapalham com palavras e acabam enroladas e parecendo loucas e muitas vezes acabam não falando nada e... – A menina parou de falar e olhou para Oliver que parecia segurar o riso – Eu to fazendo isso agora, não to?
- Ta – Ele disse, balançando a cabeça e rindo levemente – Não tem como resumir? Ir direto ao ponto?
- Ter, tem. Mas eu não sou muito boa com palavras e a arte de resumir – Julie passou a mão na nuca, sem graça.
- Você vai dizer o que eu to pensando que é? – Ele perguntou, olhando desconfiado.
- Depende, não consigo ler mentes, então... Seus pensamentos são um mistério pra mim – Julie disse, mexendo no cabelo.
- Ok, vamos fazer o seguinte – Oliver disse fazendo todos os que cochichavam ali por perto ficarem em silencio e prestarem atenção nele – Como você disse, pessoas se atrapalham com as palavras, então... Eu vou te mostrar o que eu to pensando. Com um gesto, topa? – Ele perguntou, se aproximando da menina que tremia inteira, de novo.
- P-p-poder ser – Julie meio que cacarejou enquanto Oliver se aproximava.
- Essa seroa a minha resposta se você fosse falar o que eu acho que é – O menino falou, aproximando-se mais ainda. O pulso da menina podia ser ouvido de longe de tão forte que era e de tamanho o silêncio que se encontrava no local – Bem devagarzinho – Oliver sussurrou á milímetros do rosto de Julie.
- Sabe, essa coisa de “devagarzinho” só ta aumentando meus nervos e eu vou começar a ficar nervosa e enrolar tudo, falar coisas sem noção e... Oliver, isso é maldade! – Julie disse quando os lábios do menino ameaçaram encontrar os seus e voltaram pra longe. O menino riu, provocando.
- Julie, já disseram que você fala demais? – Ele sussurrou e a menina riu, nervosa ao extremo.
- Eu sei, as vezes eu não sei como calar a boca – Disse, sem tirar os olhos dos lábios do menino.
- Eu tenho uma sugestão – Oliver falou e acabou com a distância entre os dois, grudando seus lábios nos de Julie e acabando com toda a faladeira da menina. Junto com a fala, o nervosismo também foi embora enquanto os braços da menina subiam pelos braços de Oliver e os braços do mesmo se fechavam em sua cintura em um ritmo lento e provocante como o do beijo. Foram algumas risadinhas vindas de trás de Julie que os fizera voltar a realidade. Não disseram palavra, apenas se olharam por algum tempo.
- E então? – Foi Oliver que quebou o silêncio daquele abraço.
- Você me economizou 5 minutos de fala – Julie disse, vendo o menino a sua frente rir do comentário infame.
- Posso te ajudar a economizar mais algum tempo, se quiser – Oliver sussurrou e Julie sorriu.
Economizaram hora e horas ali, parando apenas pra recuperar o fôlego e conversar inutilidades.


Gestos são sempre melhores que palavras. DEMONSTRE.



Pessoas e nomes foram mudados pra minha própria segurança. Sim, eu sonhei isso. ;xx

2 comentários:

thais disse...

OUNN *------------------*

stephania disse...

mano eu amei achei muito perfeito BFF ♥

Postar um comentário